MULHERES QUE MUDARAM O RUMO
           DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE
 
     
Mulheres do Paraíso
Mulheres do Amor

MULHERES         DE CORAGEM

DESAFIOS, OLHAR DE DESCOBERTA !
OS TEMPOS RE= PASSADOS.
Voltar Home             

MULHERES QUE REPENSARAM O MUNDO

Simone de Beauvoir



Ela é considerada a papisa do feminismo. Seu livro, “O segundo Sexo”, foi visto como um atentado ao pudor na época do lançamento, em 1949. Só nos anos 60, as mulheres viram a real importância da obra, que criou as bases do feminismo e é tida como uma das 100 mais importantes do século 20.

Está tudo ali: a forma como as tradições políticas e sociais justificam o patriarcado e a opressão masculina, como criaram a tese da inferiorização da mulher, os programas para a liberação feminina, o questionamento da instituição do casamento.

Com o livro em punho, as mulheres mudaram o mundo. Além disso, a própria vida de Simone, que representava a quintessência da liberdade, inspirou milhões de jovens. Ela viveu uma das maiores histórias de amor de todos os tempos com Sartre, sem nunca morar com ele. Sem ” O Segundo sexo” não existiria nem mulheres ministras e presidentes.

Betty Friedan




Os machistas fizeram de tudo pra colocar ela pra baixo, associando seu nome e sua feiúra – que ela afirmava ser “uma praga” em sua vida – a um bando de mal-amadas. Betty foi vítima de piadas a vida toda, mas deu a volta por cima e entrou para a história como ícone da luta feminina.

Tudo começou quando ela escreveu o livro “A Mística Feminina”, em 1963, que se tornou o estopim da chamada “segunda onda” do movimento de emancipação, o Women’s Lib.

No livro, a psicóloga Betty, que tinha que ser apenas dona de casa, mostrava a insatisfação de mulheres como ela, impedidas de atingir todo seu potencial.

Entre outras coisas, brigava pelo nosso direito de ter uma profissão e pela divisão de tarefas domésticas. Antes dela, nada disso era discutido.

Coco Chanel



Ela apareceu nos anos 20 e nos livrou do espartilho, das roupas apertadas e dos chapéus incômodos e nos deu de presente o conforto e o luxo contido.

As peças leves de jérsei, a bolsa a tiracolo, o suéter folgado, o cardigã, o tailleur, o estilo estilo navy e o pretinho básico são algumas das inúmeras invenções da francesa Gabrielle Bonheur Chanel, conhecida como Coco Chanel.

Ela também foi uma das primeiras mulheres a aderir o estilo boyish. Em 1909 abriu uma butique de chapéus. Pouco depois, um ateliê de costura, teve um sucesso enorme, mesmo antes de lançar o perfume Chanel no 5 e a bolsa 2.55. 
Continuou a criar e brilhou até morrer, aos 88 anos, no hotel Ritz, onde morava. Teve vários namorados, mas nunca se casou.


MULHERES DO INICIO A TODOS OS TEMPOS 

Rainha Ester 
Deus estava cuidando de Ester, a jovem judia da tribo de Benjamim. Ele estava preparando para ela algo que jamais passara por seu coração. Deus iria usá-la para salvar o povo judeu.


Como a rainha Vasti foi deposta da posição de rainha, agora, o rei estava precisando escolher uma jovem para ocupar o seu lugar. Dentre muitas jovens, Ester foi chamada para fazer parte do harém do rei. Recusar ir para o palácio significava assinar sua sentença de morte. Ela teve que ir e Mardoqueu, seu tio, pediu que ela não contasse a ninguém que era judia. Ele seguiu os conselhos do tio.

Ester era uma "... jovem bela de presença e formosa..." (Est 2:7b). Além de ser muito bonita, ela tinha grande sabedoria e teve um tratamento preferencial de Hegai. A Bíblia nos relata o quanto ele ajudou Ester (Em cada detalhe dos acontecimentos, vemos a mão de Deus trabalhando na vida dela). No livro de Ester 2:9 lemos: "E a moça pareceu formosa aos seus olhos, e alcançou graça perante ele; por isso se apressou a dar-lhe os seus enfeites, e os seus quinhões, como também em lhe dar sete moças de respeito da casa do rei; e a fez passar com as suas moças ao melhor lugar da casa das mulheres."
Frida Kahlo

Uma das mais famosas artistas mexicanas é vista por muitos como um ícone da criatividade feminina. Em 1913, com seis anos, Frida contraiu poliomielite, a primeira de uma série de doenças, acidentes, lesões e operações que sofreu ao longo da vida.



A poliomielite deixou uma lesão no seu pé direito, pelo que ganhou o apelido de Frida pata de palo (ou seja, Frida perna de pau).

Dizem que por isso, mais tarde, passou a usar longas e exóticas saias, que se tornaram uma de suas marcas registradas. 

Frida começou a pintar depois de ficar gravemente ferida em um acidente de ônibus, no qual fraturou a coluna e a pélvis.

Ela produziu diversas pinturas enquanto se recuperava e também foi ativista política, juntando-se à liga das jovens comunistas e à organização mexicana dos comunistas.

Kahlo foi uma das primeiras mulheres famosas a se assumir bissexual e uma das primeiras mulheres que se tem notícia a se casar e morar em casas separadas como ela fez com Diego Rivera em 1940.


Virginia Woolf
A emblemática escritora inglesa revolucionou a literatura do século XX ao abordar em seus livros questões relacionadas à mulher e ao seu papel na sociedade. 


Em 1917, fundou com seu marido, Leonard Woolf, a editora Hogarth Press, o que deu a Virgínia a chance de publicar seus livros assumindo a própria autoria, prática incomum para as mulheres da época.

Virginia é considerada a maior romancista da língua inglesa e foi integrante do movimento modernista inglês. Em 1922, chegou a viver um romance com a também escritora Vita Sackville-West, o que a levou a abordar a questão homoafetiva e feminista em alguns de seus livros, inspirando futuras leitoras e ativistas anos depois.

SINTESE
Ela fez parte do grupo de Bloomsbury, bairro londrino que servia de ponto de encontro para os intelectuais que questionavam as tradições literárias, políticas e sociais da era vitoriana, cujos maiores objetivos eram a verdade, liberdade de expressão, amor pela arte e respeito à individualidade.

Além de ser uma das maiores escritoras de todos os tempos, Virginia Woolf é reconhecida também como autora de livros feministas. O primeiro e talvez o mais importante deles é “A Room of One's Own (Um Teto Todo Seu), escrito em 1929, baseado em palestras feitas pela autora em colégios para mulheres.

MULHERES QUE RE=PASSARAM O MUNDO


Cleópatra


É uma das mulheres mais conhecidas da história mundial por ter sido a intrigante rainha do Egito.

Longe de ser apenas mulher fútil e entregue aos prazeres mundanos como muitos acreditam, Cleópatra foi uma grande negociante, estrategista militar, falava 6 idiomas e conhecia filosofia, ciências, literatura e artes gregas.

Joana D’arc


Ela foi uma importante personagem da História francesa, durante a Guerra dos Cem Anos , quando seu país enfrentou a rival Inglaterra. Desde criança ela tinha visões que a aconselhavam entrar para o exército. E assim ela o fez. Cortou o cabelo bem curto, vestiu-se como homem e foi lutar na guerra.

Em 1430, foi capturada pelos borgonheses que a venderam para os ingleses. Acusada de praticar feitiçaria, foi condenada à morte na fogueira.Em 1920, foi transformada em santa da Igreja Católica.
Angela Davis


Ela foi uma das mais obstinadas combatentes da discriminação social e racial durante a década de 1970, nos Estados Unidos.

Começou a sua militância política em 1969, quando era estudante universitária. Em 1970, Davis passou a fazer parte dos Panteras Negras, grupo político e social de combate ao racismo.

Atualmente, ela é professora do Departamento de História da Universidade da Califórnia.

Golda Meir



Ela se dedicou à causa sionista e foi uma das fundadoras do Estado de Israel, em 1948.

Pelas posições que adotou quando primeira-ministra, em 1969, foi taxada de a "dama de ferro", bem antes do termo ser adotado para descrever a ex-premiê britânica Margareth Thatcher.

Marie Curie


A física polonesa Maria Skodowska Curie foi uma importante figura história da Ciência.

Ela foi a primeira mulher a ganhar um prêmio Nobel, ao se destacar como pesquisadora dos fenômenos radioativos. Com ela, começa a se desenvolver de fato a pesquisa da energia atômica.

Rainha Elizabeth I


Seu reinado foi considerado de paz e prosperidade, comercial e culturalmente. Ficou conhecida como “a rainha virgem” por nunca ter se casado.

Governando um país dividido por questões religiosas, ela unificou a Inglaterra ao dominar a nobreza e afastar a Igreja do governo.

Em 1588, abriu de vez o caminho para a Inglaterra se tornar a maior potência colonizadora do Novo Mundo.

Para os ingleses, ela foi ótima. Já para os colonizados, nem tanto.